Vigilante é indiciado por usar o nome da vice-governadora para obter vantagem política

A Delegacia Especializada em Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC) indiciou um vigilante de 38 anos, morador de São Mateus, que se passou pela vice-governadora do Espírito Santo, Jaqueline Moraes, através de um aplicativo de mensagem, a fim de solicitar vantagem ilícita. A denúncia foi realizada pela própria vice-governadora, em setembro de 2019. O homem responderá por estelionato.

De acordo com o titular da DRCC, delegado Breno Andrade, o suspeito pediu ao superintendente Regional de Educação de São Mateus um emprego para uma mulher. “Conseguimos identificar que as mensagens foram enviadas pelo vigilante e que ele conhecia o superintendente, pois já havia trabalhado na Superintendência Regional de Educação. Mesmo diante de todas as provas apresentadas, ele negou o fato”, explicou.

Ainda de acordo com o delegado, o superintendente desconfiou do golpe por causa do linguajar utilizado nas mensagens, com erros de português e risadas. O vigilante mandava as mensagens e logo em seguida apagava, tentando não deixar provas.

O delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda, explicou que criminosos se passam por autoridades com o objetivo de passar credibilidade e confiança. “Não adianta pensar que pode se esconder através da rede, de um meio virtual, achando que não será descoberto, porque será. A delegacia tem meios para isso, tem policiais preparados para isso. Não façam. Se fizerem, serão descobertos”, disse.

 

COMPARTILHAR