É de Jorge Pires o corpo encontrado em chamas em Baixo Guandu

Ele era morador do bairro Maria das Graças em Colatina e estava desaparecido

O corpo carbonizado encontrado na divisa entre as cidades de Baixo Guandu e Aimores é do morador do bairro Maria das Graças, em Colatina, conhecido como Pires. Jorge Pires desapareceu por volta das 18 horas do dia 23 de outubro e um corpo incendiado foi encontrado por um motociclista, um dia depois de seu desaparecimento (24), por volta das 02h20min, às margens da ES – 446, próximo à guarita do bairro Boa Vista, em Baixo Guandu.

Naquela época, um  motociclista que passava pelo local viu o corpo em chamas e comunicou a um funcionário da guarita, que acionou a Polícia Militar. O corpo foi encontrado a poucos metros da guarita sentido Aimorés a Baixo Guandu.

Jorge desapareceu no dia 23 de outubro, sem deixar vestígios. Não se despediu de nenhum conhecido e não deixou um bilhete para os familiares. Pires era uma pessoa reservada, mas que gostava de conversar com os amigos, tinha uma voz marcante e era visto constantemente pelo bairro Maria das Graças onde residia há mais de uma década.

Com idade de 75 anos, o idos desapareceu a pé, pois tanto a bicicleta quanto o automóvel estavam na garagem de sua residência. E isso na época chamou muita a atenção dos familiares, imaginando que ele não teria ido longe.

Ele estava passando por uma depressão e fazia tratamento com administração de medicamentos. Ele não tinha problemas com bebidas e nem envolvimento com drogas, o que levou a família a colocar como elemento principal pelo seu desaparecimento os problemas psicológicos pelos quais estava passando.

Jorge Pires, era natural de Vitória (ES), onde vive a maioria de seus familiares. Veio morar em Colatina há  17 anos, não fez muitos amigos, mas dos poucos que fez gostava muito e tinha prazer em conversar com eles.

No último dia 23 de novembro saiu o resultado do exame de DNA, feito no corpo carbonizado e o resultado foi positivo. A polícia, através do delegado Edson Felix, que responde pela Delegacia da Polícia Civil  de Baixo Guandu já tem uma linha de investigação em andamento, mas  segundo informações de sua equipe não poderá revelar detalhes sobre as investigações.

 

COMPARTILHAR