O caso do advogado veneciano desaparecido ganha novos contornos

Foi confirmada no final da noite deste sábado, dia 15, a morte do advogado Henrique Toscano Campo Dall’Ortto. De acordo com os Bombeiros que estavam à procura do corpo nas águas do mar de Vitória.

A morte de Henrique foi consumada dia 04 deste mês, logo após ele ter contratado um aplicativo para uma corrida. Henrique tinha 35 anos e estudava intensamente para o concurso de Procurador e frequentava academia e uma oficina de Jiu-jitsu.

A irmã dele e também advogada, Lívia Toscano, contou que Henrique não faz uso de medicamentos ou drogas e nem tem histórico de depressão. “Meu irmão é um rapaz super de bem com a vida, se dá bem com todo mundo, faz jiu-jítsu, academia e tem muitos amigos”, disse.

Lívia contou que no dia 4 de junho, pela manhã, tanto ela como a mãe conversaram com Henrique, por telefone. O último a falar com o advogado foi o irmão deles que mora no Rio de Janeiro, por volta das 13h30, também do dia 4.

“A gente não tem o hábito de se falar todos os dias. Ele estuda muito para concurso, mora sozinho e tem uma vida independente. Na segunda-feira, dia 10, minha mãe tentou falar com ele, sem sucesso. Ficou preocupada e foi até lá. O apartamento estava organizado, normal”, comentou.

No dia seguinte a mãe do advogado voltou ao apartamento. “Tudo estava como ela deixou. Chegamos a pensar que ele poderia ter arrumado uma namorada e ido para a casa dela, por causa do Dia dos Namorados. Mas como não tivemos notícias até o dia 13, decidimos procurar a polícia e pedir as imagens das câmeras de videomonitoramento do prédio”, disse a irmã.

Lívia explicou que a família assistiu aos vídeos e constatou que Henrique deixou o edifício às 17h40 da terça-feira, dia 4.

“Era um carro escuro, mas não conseguimos ver o modelo ou a placa. Conseguimos hoje (ontem) assistir até as 3 horas da manhã do dia 5, e ele não tinha voltado para casa. Agora vamos continuar vendo para saber se ele retornou ao prédio em algum momento nesses dias”, pontuou.

Motorista diz que foi ameaçado com faca por advogado antes de sumiço

O motorista diz que foi ameaçado por Henrique Toscano com uma faca e obrigado a parar o carro na Terceira Ponte para que o advogado descesse. A Rodosol, no entanto, informou que não há imagens que comprovem o fato. Segundo o motorista afirmou para a polícia, o advogado pediu para que ele fosse para a pista da direita e devagar, pois queria tirar fotos. Em seguida, o advogado teria encostado uma faca no condutor do veículo e pediu para que ele fosse embora, senão o levaria junto.

O mesmo motorista, procurou a polícia no mesmo dia para registrar o fato, para a confecção de um boletim de ocorrencia, mas segundo ele, os policiais acharam não haver necessidade dele ir até a polícia civil para comunicar o fato. Já a Rodosol que cuida da Terceira Ponte, informou que há indícios de uma possível tentativa de suicídio na mesma data, mas não houve registro do fato pelas câmeras e nem pela equipe de fiscalização do local.

COMPARTILHAR