Equipe do Projeto Barraginhas participa de definição das primeiras unidades demonstrativas

As primeiras Unidades de Referência serão construídas nas Fazendas Experimentais do Incaper
O projeto, intitulado “Capacitação, transferência de tecnologia e implantação do Projeto Barraginhas da Embrapa em microbacias no Estado do Espírito Santo” também implementará Unidades de Referência em 10 propriedades rurais, localizadas nos municípios de atuação do mesmo, sendo eles: Água Doce do Norte; Atílio Vivácqua; Colatina; Cachoeiro de Itapemirim; Pinheiros; Mucurici; Nova Venécia; Santa Leopoldina; Laranja da Terra; e São Roque do Canaã.

Parte da equipe de trabalho do Projeto Barraginhas esteve na Fazenda Experimental do Incaper de Pacotuba, em Cachoeiro do Itapemirim, para seleção dos locais de implantação das primeiras unidades demonstrativas do projeto no Estado. A iniciativa é desenvolvida no Espírito Santo pelo Instituto Capixaba de Pesquisa Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) em parceria com a Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh).

As primeiras Unidades de Referência serão construídas nas Fazendas Experimentais do Incaper, localizadas em Pacotuba (sul) e Marilândia (norte) até o final de setembro, quando serão inauguradas para visitação. Os locais selecionados pelos pesquisadores e extensionistas do instituto serão monitorados cientificamente com a finalidade de produção de dados técnicos sobre a tecnologia social, que é patenteada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Milho e Sorgo.

Segundo a agrônoma e pesquisadora do Projeto, Ana Elisa Lyra Brumat     “a importância do monitoramento das barraginhas se dá para avaliarmos os efeitos que ela proporciona ao ambiente em que está inserida, desde o aumento da umidade do solo até a recarga do lençol freático. Requer caracterização da área, conhecer a textura do solo, área e volume de contribuição, que nos proporciona indicar a necessidade e periodicidade de limpeza destas, por exemplo, maximizando a sua eficiência. Essa tecnologia está associada a um melhor manejo e conservação do solo e da água”, explicou.

A pesquisa tem o objetivo de garantir a adaptabilidade da tecnologia social – que inclui diversas técnicas de manejo do solo para captação de águas da chuva – para a realidade do Espírito Santo, visando futuramente ao desenvolvimento de uma cartilha com diretrizes e orientações para a implementação das barraginhas em propriedades agrícolas.

Com informações do Incaper-ES

COMPARTILHAR