Eleição francisquense 2020 deve polarizar caso terceira via não reaja

As eleições municipais do próximo ano, quando serão escolhidos os 13 vereadores mais o prefeito e vice, deve gerar uma polarização de nomes, caso o grupo qualificado como terceira via, não reaja a possibilidade de participar da disputa.

Aparentemente, os dois grupos que se enfrentam já algumas décadas, voltarão a cena política tendo de um lado pai e filho, ex-prefeitos e ex-deputados estaduais Edson Henrique Pereira e Luciano Pereira, enquanto do outro, o ex-prefeito, ex-conselheiro do TC e atual deputado estadual Enivaldo dos Anjos.

 

Edinho e Luciano

Se Edinho e Luciano estão impedidos de disputar o cargo do Executivo por força de ações de improbidade, nada impede de que eles lancem um nome para o pleito, podendo ser até a atual vereadora Zirene Valli, tia de Luciano e cunhada de Edinho. Na regra três ainda podem surgir outros nomes.

 

Enivaldo

Já o lado de Enivaldo dos Anjos é complexo. Ele depois de mudar seu domicílio eleitoral para a capital, ao que parece entende que ainda detém prestígio no município. Não está descartada a hipótese de vir a apoiar novamente o atual prefeito Alencar Marim apesar de estar desgastado administrativamente.

Alencar Marim

O prefeito único da legenda do Partido dos Trabalhadores a se eleger no ES, sofre as consequências de ter abrigado um staf administrativo muito mais voltado para gratidão de campanha do que staf técnico. Alencar sofre com a falta ação administrativa e se equilibra de pequenas obras, principalmente os calçamentos em vias localizadas na periferia. Seu secretariado, com raríssimas exceções é extremamente fraco, voltado principalmente para blindar o Executivo de críticas.

A atual administração peca em não conseguir planejar ações efetivas nos setores da saúde, educação e interior e transportes. No setor urbano, ainda são verificadas intensas reclamações por não conter a onda de poeira, alojada nas vias que clamam por uma limpeza mais eficaz, bem como na coleta de lixo. Mesmo assim, Alencar é candidato a reeleição, apenas trocando o vice.

Vice Denilson

A relação entre o prefeito Alencar Marim e seu vice, Denilson Ferreira, o Denilson Feirante, não é a dos tempos de campanha e nem do início da atual gestão. Denilson foi muito criticado durante o tempo em que esteve à frente da Secretaria de Interior e Transportes, quando na época, o município tentava recuperar as finanças. Depois de sua exoneração da pasta, que aconteceu por pressão política tanto do lado da oposição quanto dos aliados de Alencar, que consideravam o vice-prefeito “incapacitado” para a função. Mesmo assim, Denilson pode vir a disputar a prefeitura, compor com o grupo da terceira via.

Juvenal Calixto

O atual presidente da Câmara Municipal, vereador Juvenal Calixto, não esconde de ninguém que tem amplas intenções de vir a disputar as próximas eleições, como candidato ao Executivo. Depois de quatro mandatos eletivos, sendo quem em dois deles, esteve comandando os destinos do Legislativo, Juvenal surge como uma nova opção, não estando aparentemente ligado a nenhum dos grupos tradicionais. Sua pretensão de ocupar a cadeira do Executivo, estampa uma novidade em que uma terceira via, surge para enfrentar a oligarquia de duas famílias que comandaram a política local.

Juvenal Calixto pode inclusive se vingar a candidatura, atrair a simpatia até dos dois grupos que por décadas se enfrentaram nas urnas. Ele ainda pode mobilizar apoio para com seu nome, do grupo do ex-prefeito Waldeles Cavalcante.

Waldeles Cavalcante

Disputou duas eleições, sendo que na primeira, esteve ocupando a cadeira do Executivo por força da cassação do mandato do ex-prefeito Edinho. Na segunda disputa, venceu com sobras e se tornou até então, o campeão de votos dados no município para um prefeito.

Com suas contas recentemente aprovadas pela Câmara Municipal, Waldeles surge como uma opção de luxo, já que está na iminência de se aposentar do cargo de contador da Câmara Municipal. Vale lembrar que ele na última eleição teve o nome aprovado em convenção de seu partido e até chegou a colocar a campanha na rua. Desistiu em favor de Alencar que foi seu secretário municipal e contou com o apoio de Enivaldo.

Marcelo Firmino

Candidato ao cargo de Deputado Estadual no Espírito Santo pelo SOLIDARIEDADE, Marcelo Firmino disputou e bem as eleições passadas, quando obteve 8.110 votos totalizados (0,42% dos votos válidos) mas não foi eleito nas Eleições 2018.

Ele é um nome que não pode ser desprezado na próxima campanha, podendo ser integrado como vice-prefeito em alguma chapa ou até mesmo vir a disputar a cadeira maior do Executivo. Ele representa a Polícia Militar sendo integrante do 11º BPMES.

*Texto/Carlos Madureira/fotos divulgação

COMPARTILHAR