Pai foi detido após levar a criança da creche municipal no Norte do ES

noticias_5406e6858aaec

Um pai impedido pela Justiça de se aproximar da filha de quatro anos foi detido após levar a criança da creche municipal onde estuda, no bairro Shell, em Linhares, Norte do Estado. O fato foi registrado pela Polícia Militar na tarde desta quarta-feira (20).

A coordenadora contou à PM que o pai da aluna esteve na creche por volta de 13h30. Ele pediu para que o deixasse dar um abraço na filha porque estava com muita saudade. Emocionada, a coordenadora permitiu a entrada do suspeito. No entanto, ao entregar a criança, ele a empurrou no chão e levou a filha sem a sua autorização.

A coordenadora ligou para a mãe da aluna, que esteve na creche e acionou a PM. A mãe disse à polícia que tem uma decisão da 4ª Vara Criminal de Linhares, na qual consta que o acusado tem que permanecer a 300 metros dela e da filha.

O suspeito foi localizado em casa e conduzido à 16ª Delegacia Regional de Linhares. A mãe da menina também foi levada para a delegacia para representar contra o acusado. A criança foi deixada com a avó.

Por meio de nota, a Prefeitura de Linhares informou que, segundo a Secretaria Municipal de Educação, o pai possuía autorização para ver a criança, inclusive deixando-a na escola no dia do ocorrido. Ele retornou com sintomas visíveis de embriaguez quando a equipe gestora percebeu e tentou impedir que ele se aproximasse e levasse a criança.

Neste momento, usando de truculência, ele agrediu a coordenadora escolar da unidade de ensino e levou a filha. A Polícia Militar foi acionada e conseguiu localizar a aluna na casa da avó e a reintegrou à família.

A prefeitura disse ainda que o documento da Justiça proibindo a aproximação do pai não havia sido entregue na escola pela mãe. Por isso, o fato ainda era desconhecido pela direção do Centro de Educação Infantil Municipal (Ceim).

A Secretaria Municipal de Educação frisa que continuará acompanhando o caso e contribuirá com as investigações da polícia, inclusive no que diz respeito à agressão a coordenadora da unidade de ensino

COMPARTILHAR