“Não me arrependo”, diz jovem que confessou assassinar pedreiro em Linhares

exclusivo-nao-me-arrependo-diz-jovem-que-confessou-assassinar-pedreiro-no-interlagos-veja-video

Kessy Jhonis Pacheco Santos, de 23 anos, disse que matou o pedreiro por causa de dívida; ele foi levado para o CDP de Aracruz

O jovem Kessy Jhonis Pacheco Santos, de 23 anos, confessou ter assassinado com cinco tiros o pedreiro Natanael de Almeida Alves, de 32 anos, na noite desta quarta-feira (17), nas proximidades do cemitério São José, no bairro Interlagos. De acordo com o jovem o motivo do crime foi uma cobrança que ele não forneceu detalhes. “Estava me devendo”, limitou-se a dizer. Kessy demonstrou bastante frieza e garante que não se arrepende do assassinato: “não me arrependo”, destaca, dizendo em seguida que puxaria o gatilho novamente. 
A entrevista aconteceu na sede da Delegacia Regional de Linhares logo após a sua prisão – menos de cinco horas após o registro do homicídio. Kessy foi preso pela Polícia Militar na madrugada de hoje na Rua Mem de Sá, atrás da garagem da Prefeitura, no bairro Interlagos. O Aspirante Oficial da PM Theotônio, disse que a prisão ocorreu através de denúncia anônima da comunidade. Ele estava deitado no andar superior de um imóvel onde sua irmã reside. O jovem diz não ter endereço fixo por possuir pendências na Justiça. 
A arma do crime, um revólver calibre 32, foi recuperada pela Polícia num terreno baldio nas proximidades do cemitério São José, e estava com seis munições – cinco deflagradas e uma picotada. Os disparos atingiram as costas (três), a axila e a nádega da vítima. Ele morreu praticamente no mesmo local onde a sua irmã, uma garçonete de 29 anos também foi assassinada a tiros em 2014. Ela trabalhava numa pizzaria da região.
O titular da Delegacia de Crimes Contra a Vida de Linhares, André Jaretta, irá ouvir o depoimento do jovem ainda na manhã de hoje e em seguida deverá encaminhá-lo ao Centro de Detenção Provisória de Aracruz. Se condenado pela morte do pedreiro ele poderá pegar até 30 anos de prisão. As investigações em torno do caso continuam. E a comunidade deve continuar contribuindo. Qualquer informação deve ser repassada para o 181. Não precisa se identificar.
COMPARTILHAR