BEBÊ MORRE COM MENINGITE E FAMÍLIA ACUSA HGL DE LINHARES

1_morte_crianca_aglb_02_09_17_f28ecfe-5271111

Uma família de Linhares acusa o HGL de negligência com a menina que esteve no local por quatro vezes e a doença não foi diagnosticada

Linhares – O bebê morreu com um quadro de meningite aguda em Linhares,  na última quinta-feira (31), véspera de completar um ano de idade. A causa da morte foi confirmada por laudo e levou a família a acusar a equipe médica do HGL Hospital Geral de Linhares de negligênciar no atendimento da menina que teria sido levada ao loca,l diversas vezes e a doença não havia sido diagnosticada.

A dona de casa Carolina Gusmão Braga, mãe da pequena Beatriz, contou que a filha começou a passar mal há alguns dias, com febre. “Primeiro eu achei que fosse uma febrezinha e não dei tanta importância, mas no dia seguinte ela teve febre e vômito. Foi quando eu levei ela pela primeira vez ao hospital”, falou a mãe.

Na primeira vez que a menina foi levada para o HGL foi no dia 25 de agosto, uma sexta-feira, ela recebeu atendimento e logo foi liberada. Os pais contam que isso se repetiu por pelo menos três vezes. Na quarta-feira, dia 30 de agosto, Beatriz continuou com os sintomas e os pais a levaram novamente ao HGL, mas por causa da demora no atendimento, eles preferiram levá-la a um hospital particular. Eles pagaram uma consulta, mas novamente ela foi liberada.

Porém, a situação de saúde da menina piorou depois disso, segundo os pais, e a menina foi levada novamente ao HGL, mas desta vez Beatriz não resistiu. Após a morte, o corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), onde a causa da morte foi identificada: meningite aguda purulenta.

A mãe acusa a equipe do HGL de negligência médica, pois esteve no local pelo menos quatro vezes com a filha e ninguém suspeitou de meningite. “Fui negligenciada. A atenção que deram para a minha filha não foi suficiente, era como se ela estivesse com uma febre simples, de uma gripe ou algo assim. Só sabiam dar soro, porque ela tava desidratada, e remédio para abaixar a febre. Agora eu fico sem minha filha, o coração doendo, só com as lembranças mesmo”, disse Carolina.

HOSPITAL

O HGL informou que Beatriz foi primeiro atendida em um hospital particular, onde foi diagnosticada com suspeita de infecção urinária. Como não houve melhora, a família procurou o Hospital Geral, onde a menina já chegou em estava grave e não resistiu.

A assessoria do hospital garantiu ainda que a menina recebeu todos os cuidados necessários. Já o Hospital Rio Doce, a unidade particular para onde a menina também foi levada, disse que lamenta a morte da criança e que o caso será rigorosamente apurado e esclarecido. Fotos: Reprodução / TV Gazeta/ Carolina Gusmão Braga/montagem DN Linhares.

COMPARTILHAR