Corre e está com dor na perna? Será que é mesmo canelite? Descubra!

Doutora Ana Paula Simões explica quais os possíveis diagnósticos desse problema que atinge muitos corredores. Fratura por estresse e tendinite estão na lista. Confira!

Corre e está com dor na perna? Será que é mesmo canelite? Descubra!

Por Ana Paula Simões, São Paulo

 

“Shin splints”, ou canelite, é um problema comum relacionado ao exercício. O termo inflamação da canela refere-se à dor ao longo da borda interna da espinha da tíbia. A dor normalmente se desenvolve após a atividade física, e são frequentemente associadas à execução. Qualquer atividade esportiva vigorosa pode trazer dores na canela, especialmente se você está apenas começando um programa de fitness ou corrida.

Medidas simples podem aliviar a dor, como repouso, gelo e alongamento que muitas vezes ajudam. Cuidar para não exagerar na sua rotina de exercícios ajudará a evitar que as dores fiquem recorrentes.

+ O que fazer quando a canelite aparece? Descubra

O que é canelite

A síndrome da tensão tibial medial é uma inflamação dos músculos, tendões e tecido ósseo em volta da tíbia. A dor normalmente ocorre ao longo da borda interna da tíbia, onde os músculos se ligam ao osso. Depois de discutir seus sintomas e histórico, seu médico examinará sua perna.

Um diagnóstico preciso é muito importante. Às vezes, podem existir outros problemas que podem confundir o diagnóstico, sendo necessário exames complementares. Várias condições podem causar dor nas pernas, incluindo fraturas por estresse, tendinite e síndrome do compartimento de esforço crônico. Veja os principais:

Dor na perna pode ser fratura por estresse (Foto: iStock Getty Images)Dor na perna pode ser fratura por estresse (Foto: iStock Getty Images)

Dor na perna pode ser fratura por estresse (Foto: iStock Getty Images)

Fratura por estresse

Se as dores da canela não respondem ao tratamento, seu médico pode querer garantir que você não tenha uma fratura por estresse, que é uma pequena (s) fenda (s) na tíbia causada por estresse e uso excessivo. A dor geralmente é pontual, diferente da canelite que é mais extensa.

Exames de imagem que recriam imagens da sua anatomia ajudam a diagnosticar condições como essa. Um estudo de análise óssea como ressonância magnética geralmente mostrará fraturas por estresse na tíbia.

+ Tendinopatia de Aquiles e canelite: saiba mais sobre as lesões

Tendinite

Os tendões unem os músculos aos ossos. A tendinite ocorre quando os tendões se inflamam. Isso pode ser doloroso como as canelites, especialmente se houver uma lesão parcial do tendão envolvido. Uma ressonância magnética pode ajudar a diagnosticar tendinite. A tendinite dói ao movimento do tendão ou no simples acionamento do mesmo, tem relação com o movimento e esforço do tendão envolvido.

Síndrome do compartimental crônica

Uma condição incomum chamada síndrome do compartimento de esforço crônico causa sintomas como dores da canela. A síndrome do compartimento é uma condição dolorosa que ocorre quando a pressão dentro dos músculos aumenta em níveis perigosos. Na síndrome compartimental crônica isso é provocado pelo exercício. A dor geralmente se resolve logo após parar a atividade.

Os testes utilizados para diagnosticar esta condição envolvem medir a pressão dentro dos compartimentos das pernas antes e depois do exercício. À medida que a duração e a magnitude da pressão intersticial aumentam, a função mioneural é prejudicada e a necrose dos tecidos moles eventualmente se desenvolve.

Dor ou compressão ciática

A dor ciática é uma dor que percorre todo o trajeto do nervo ciático, que se inicia na região lombar, passa pelas nádegas e vai até a parte mais baixa de uma ou duas pernas. Este é o nervo mais longo do corpo. A dor aparece quando este nervo está irritado através de uma inflamação, por uma compressão externa, pelo deslocamento do disco intervertebral, pela hérnia de disco na coluna lombar ou por uma contratura do músculo piramidal ou até mesmo compressão do piirforme.

Pinçadas ou espasmos de dor ocorrem na parte baixa da coluna e ao longo do nervo ciático, que percorre pela parte profunda da coxa e/ou superficial da perna indo até o pé. A dor geralmente é sentida como uma pontada ou uma queimação na perna, simulando a canelite. Às vezes, começa gradualmente, piora durante a noite e é agravada pela atividade física. A dor ciática também pode causar formigamento, parestesias (baixa sensibilidade) ou fraqueza nos músculos da perna afetada.

+ Descubra em qual lesão a sua dor se enquadra

Trombose veia profunda (TVP)

Trombose venosa profunda é uma doença potencialmente grave causada pela formação de coágulos (trombos) no interior das veias profundas. Na maior parte das vezes, o trombo se forma na panturrilha, ou batata da perna, simulando a canelite, mas pode também instalar-se nas coxas e, ocasionalmente, nos membros superiores. O desprendimento do coágulo pode provocar complicações a curto ou longo prazo. A curto prazo, ele pode deslocar-se até o pulmão e obstruir uma artéria. Esse episódio é chamado de embolia pulmonar e, conforme o tamanho do coágulo e a extensão da área comprometida, pode ser mortal.

A longo prazo, o risco é a insuficiência venosa crônica ou síndrome pós-flebítica, que ocorre em virtude da destruição das válvulas situadas no interior das veias encarregadas de levar o sangue venoso de volta para o coração. Edema, dor, calor, rubor (vermelhidão) e rigidez da musculatura na região em que se formou o trombo são os sinais mais comuns que dão na perna. A diferença é que a dor é constante, e não só aos esforços

Tensão / distensão muscular

Distensão muscular é mais uma lesão de esforço, muitas vezes associada a corridas. A distensão cria uma área muito dolorida na parte traseira do músculo da perna, devido a uma ruptura parcial ou estiramento. Esta geralmente se desenvolve por causa de flexibilidade ou aquecimento inadequados, além de um pobre preparo físico para o exercícios em questão. Neste caso a dor é aguda no momento da lesão e depois vai melhorando com o repouso.

Cãibra

Cãibras nas pernas são episódios transitórios de dor, geralmente por vários minutos, quando o músculo geralmente localizados na panturrilha, na parte posterior da perna, entra em espasmo, o qual não pode ser controlado. Há uma sensação de aperto durante a cãibras, que são mais comuns durante a noite e em pessoas mais velhas. Estima-se que um terço das pessoas com mais de 60 anos sofram deste mal. Mas pode ocorrer em praticantes de esporte que estão em desequilírio hidro-eletrolítico.

+ Cãibras: aprenda quatro técnicas para reverter a dor

Cãibra ocorre em praticantes de esporte que estão em desequilírio hidro-eletrolítico (Foto: iStock photos)Cãibra ocorre em praticantes de esporte que estão em desequilírio hidro-eletrolítico (Foto: iStock photos)

Cãibra ocorre em praticantes de esporte que estão em desequilírio hidro-eletrolítico (Foto: iStock photos)

Existem vários outros diagnósticos diferenciais como tumores, síndromes compressivas nervosas, venosas e arteriais; infecções e até mesmo hérnias musculares.

Depois de uma série de perguntas e respostas para descartar problemas óbvios, o médico vai querer montar um histórico da dor e, em seguida, examinar a perna e localizar a dor. Os médicos irão querer sentir os pulsos, testar edema e inchaço, e detectar mudanças na temperatura. Além de toda parte ortopédica.

Lesões específicas, tais como as causadas por lesões desportivas, podem ser investigadas mais a fundo, com testes, incluindo ultrassom, raio-X, tomografia computadorizada (TC), ressonância magnética (RM) e cintilografia óssea.

Em casos de claudicação – dor nas pernas causadas por suspeita circulatória -, o processo de diagnóstico pode incluir: índice BP tornozelo-braquial, medições de sangue e pressão no braço e tornozelo durante o repouso e após caminhada, ultrassonografia e angiografia.

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com.

Mestre em ortopedia e traumatologia pela Santa Casa de São Paulo. Especialista e delegada regional do Comitê de Traumatologia esportiva, médica assistente do grupo de traumatologia da Santa Casa de São Paulo e da Sociedade Brasileira de Futebol Feminino e membro da Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva. www.anapaulasimoes.com.br (Foto: EuAtleta)Mestre em ortopedia e traumatologia pela Santa Casa de São Paulo. Especialista e delegada regional do Comitê de Traumatologia esportiva, médica assistente do grupo de traumatologia da Santa Casa de São Paulo e da Sociedade Brasileira de Futebol Feminino e membro da Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva. www.anapaulasimoes.com.br (Foto: EuAtleta)

Mestre em ortopedia e traumatologia pela Santa Casa de São Paulo. Especialista e delegada regional do Comitê de Traumatologia esportiva, médica assistente do grupo de traumatologia da Santa Casa de São Paulo e da Sociedade Brasileira de Futebol Feminino e membro da Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva. www.anapaulasimoes.com.br (Foto: EuAtleta)

COMPARTILHAR