SUICÍDIO: Um grito de socorro

As taxas de suicídio têm crescido em grande magnitude, tratando-se de um grave problema de saúde pública. A cada ano, milhares de pessoas tiram a própria vida e um número ainda maior tentam oficializar tal ato.

Segundo a Psicóloga Joselaine Lopes, em grande parte, os suicídios estão vinculados aos transtornos mentais, como depressão, por exemplo. Ou mesmo, em momentos de crise, o pensamento suicida pode estar intensamente associado a uma desorganização mental, estresse aumentado e sentimento de incapacidade de lidar com os problemas significantes da vida.

Desse modo, pensar na morte como solução para o sofrimento, aparentemente lhe parece à única saída possível“, explica Joselaine.

A psicóloga diz que é necessário estar atento a frases do tipo:

“Gostaria de dormir e não mais acordar”
“Não aguento mais viver assim, quero desaparecer”
“Não encontro solução pra essa vida, não há mais o que eu possa fazer”
“Minha existência não faz sentido”
“Deixarei de ser um peso em breve”

Se repertórios como esses, ou com o mesmo sentido, costumam se fazer presente. Se você se sente no limite, angustiado, sem esperança, desesperado, melancólico, depressivo e permeado de comportamentos de risco… Se você, algum amigo ou membro da sua família se depara com um estado emocional debilitado, a ponto de pensar que tirar a própria vida se torna uma possibilidade, não deixe de procurar apoio de alguém próximo e principalmente ajuda de um profissional qualificado, o qual utilizará de ferramentas que auxiliarão no enfrentamento desse processo difícil e no tratamento desses pensamentos disfuncionais. Não tome para si mesmo uma atitude irreversível, permita-se experimentar outras soluções diferentes. Suicídio não é a saída!”, afirma Joselaine.

Leia também:

Quando levar meu filho ao Psicólogo? Veja o que diz a psicóloga Joselaine Lopes

De acordo com a psicóloga, vale salientar também que a maioria das pessoas com comportamentos ou ideações suicidas não querem a morte física, mas sim encerrar com a dor de um sofrimento instaurado. Faz-se indispensável quebrar o mito sobre o pensamento de “quem fala, não faz”. É preciso tirar a sombra que paira sobre esse tema.

“Quebrar um silêncio que vem mascarado de uma suposta solução de problema…. É necessário estar atento aos sinais, ouvir e acolher esse grito desesperado por socorro… Falar é a melhor solução. Viver é a melhor opção! Valorize sua vida e diga não ao suicídio!”, finaliza.

 

Mais informações:

Dra. Joselaine Lopes de Oliveira
Psicóloga – CRP 16/5414

Centro Clínico Meraki
Tel.: (27) 99852-6060
Rua Wantuil Ribeiro Fagundes, 161 – Ap. 204
Edifício Rodex & Prado – 2º andar
Barra de São Francisco – ES
(Atrás do fórum, ao lado do Ministério Público)

Quando levar meu filho ao Psicólogo? Veja o que diz a psicóloga Joselaine Lopes

COMPARTILHAR