Moradores reclamam da qualidade da água em Nova Venécia

Consumidores questionamVários consumidores venecianos estão questionando a qualidade da água potável do município, alegando que ela está “gordurosa e com um gosto azedo”, além de causar coceira e irritação.

É o que afirmam, por exemplo, a funcionária pública, Janaína Neves de Oliveira, moradora do bairro Margareth, e a auxiliar de escritório, Scheyla Ferrugine, residente no bairro Aeroporto.

Segundo Janaína, a água em sua residência tem causado caroços em sua pele. “Na minha casa, a água está clara, porém com gosto azedo. Uso água mineral, mas depois do banho, minha pele começou a coçar e encher de caroços, tipo brotoeja de neném”.

Já Scheyla, afirmou ter sentido a mudança apenas no seu trabalho. “Em minha casa tem poço, então, não faz diferença, mas no meu trabalho pude sentir a água azeda. Um gosto horrível”.

Procurado por  A Notícia, o Gestor do Polo de Nova Venécia, Hebber Ziviani Contarato, disse que a água está muito barrenta devido as fortes chuvas que caíram na cabeceira do Rio nos últimos dias. “Com isso, o P.H. da água fica muito baixo, o que acaba causando irritação, coceira, sensação de oleosidade e pele grudando, mas são efeitos da grande quantidade de barro que veio na água”, disse o gestor.

Segundo ele, esta água é própria para o consumo. “A Cesan garante a qualidade da água que distribui. Uma ou outra pessoa que seja mais sensível ao baixo P.H. pode ficar com a boca ligeiramente amarga, mas isso é passageiro. Apenas recomendamos que, se alguém for muito sensível ao P.H. da água, que faça uso de água mineral, mas que a condição da água da rua já está bem melhor, inclusive com relatos que em alguns pontos da cidade, onde tem maior consumo, a água já não está mais oleosa”.

Para ele, as condições da água devem voltar ao normal em breve. “Vai depender da condição da água do Rio Cricaré. Se ela continuar melhorando, em, no máximo 72 horas, possivelmente tudo voltará à normalidade”.

Ele afirmou que a degradação ambiental severa pela qual passou a região é a principal responsável. “Quase não existe mais matas ciliares e as encostas dos morros estão todas desprotegidas. Com isso, toda e qualquer chuva mais forte acaba lavando esses morros e trazendo argila (poeira/barro) para dentro do Rio Cricaré, deixando a água sem qualidade e muito difícil de ser tratada”.

Ele finalizou afirmando que adequar à quantidade de produtos químicos era o único caminho para não parar o abastecimento na cidade. “Haveria outra forma de isso não acontecer, que seria parar o tratamento de água e esperar a qualidade da água do Rio melhorar, assim como aconteceu em Colatina, mas se assim fizéssemos, já estaríamos a três dias sem água. É um efeito não agradável, mas temos água e não está salgada como aconteceu em São Mateus. Logo, isso tudo passará e voltaremos à normalidade, sem ter deixado a população desabastecida”.

 

Fonte: Jornal A Notícia

COMPARTILHAR