“A onça já matou 14 carneiros e mais de 60 cabritos só na minha fazenda”; afirma produtor de Águia Branca

Uma onça vem tirando o sossego dos moradores da localidade de Córrego Parado, em Águia Branca, na região Noroeste do Espírito Santo. A presença do animal vem trazendo medo à população, que além de alterar suas rotinas, está sofrendo prejuízos com os ataques do felino.

O produtor Giovani Aloquio é uma das pessoas que está tendo muitos motivos para se preocupar. Dentro da sua propriedade, a onça já matou 14 carneiros e mais de 60 cabritos. No último ataque, há menos de uma semana, ele encontrou três carneiros mortos. Ele conta que as pessoas estão tendo que mudar a rotina para evitarem encontrar com o animal.

“As pessoas estão em pânico. Pessoas que usam a noite para molhar e irrigar café estão com medo de andar na região. Quem não está acostumado com a presença da onça está muito assustado”, contou o produtor.

Foi dessa forma que o cafeicultor Josiane Borges Alves se deparou com o felino. Ele voltava para casa, de moto, quando encontrou a onça em uma curva. Ele disse que ela passou na sua frente e seguiu para dentro do matagal. O medo de Josiane só passou quando ele chegou à casa de um vizinho.

“Eram umas oito e meia da noite, quando ela atravessou na minha frente em uma curva e subiu o matagal. Posso falar que é a onça porque eu vi na minha frente. Eu acelerei a moto o máximo que pude, até chegar à casa do vizinho mais próximo. Foi daí pra frente que não tive mais medo”, detalhou o produtor de café.

Os moradores de Córrego Parado esperam que providências sejam tomadas o quanto antes. “Esperamos que capturem esse animal e levem para uma propriedade em que ele tenha um lugar para criar e viver”, cobra Giovani Aloquio, que sabe que não tem como dividir o espaço com a onça.

Carneiros e cabritos são atacados por onça no Espírito Santo (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)
Carneiros e cabritos são atacados por onça (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

Orientações
A Polícia Militar Ambiental afirmou que pelas características dos ataques, é “bem provável que seja uma onça”. O cabo Anízio Júnior acredita que o animal passou a habitar a região em busca de alimentação.

“Com tanto desmatamento e queimadas, os animais perdem as presas naturais deles e começam a procurar alimentos próximo a residências ou criações de animais”, explica o cabo da Polícia Ambiental.

O órgão orienta que as pessoas que se depararem com o felino não o enfrentem ou tentem espantá-lo diretamente. Dessa forma, o animal pode se sentir acuado e partir para o ataque. A indicação é de que barulhos sejam emitidos para afugentar a onça.

“Ou você solta um rojão, ou instala sirenes próximo ao curral onde os ataques estão acontecendo. Se pressentir que esse animal está rondando a casa, faça bastante barulho para que ele saia do local”, sugeriu Anízio Júnior.
Em maio deste ano, a Polícia Ambiental capturou um filhote de onça parda na mesma localidade rural de Águia Branca. Na época, o responsável por identificar o animal foi o filho do produtor Itamar Menini. Agora, quem avistou a onça foi o próprio Itamar.

“Ela pegou alguns cabritos, eu fui atrás e vi a onça. Não é a mesma. Ela roda aqui por perto. É bem grande. Eu fiquei abismado”, conta o produtor, que acredita que ela não esteja sozinha. “Eu acho que não tem uma só não. Deve ter um casal e um filhote ainda que ficou para trás”, completou.

Fonte: G1- Espírito Santo

COMPARTILHAR