Fazendeiro é morto após discussão em festa no Córrego Grande, interior de São Mateus

O produtor rural, Jovelino José Rigoni, foi morto no final da noite de sábado (15), no Distrito de Córrego Grande, interior de São Mateus, na região Norte do Estado. O fazendeiro Jovelino José Rigoni foi atingido por dois tiros, um na testa e um na região abdominal, por volta das 23h.
De acordo com testemunhas, a vítima estava em uma festa de forró, em um bar localizado no distrito de Córrego Grande, na zona rural do município.
O dono do bar, que preferiu não se identificar, disse que o fazendeiro estava saindo com o carro, quando bateu em uma motocicleta. Dois rapazes foram tirar satisfações e a discussão começou. Um deles sacou uma arma e atirou três vezes contra Rigoni. Dois tiros atingiram a vítima. Em seguida, os criminosos fugiram do local. Apesar da versão, moradores acreditam que o crime tenha sido cometido por um ex-funcionário do fazendeiro.
 

No Boletim de Atendimento do Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes), consta que, devido à gravidade dos ferimentos, populares acionaram a polícia, e resolveram fazer o transporte da vítima, já que o local é afastado da região central de São Mateus
Na altura do km 25 da BR-381, no distrito conhecido como Pirola, as pessoas que ajudaram no socorro se depararam com a viatura da Polícia Militar, que parou para fazer o atendimento e deslocou a vítima até o Hospital Roberto Silvares.
Ainda segundo o Boletim de Atendimento, Jovelino morreu a caminho do hospital, dentro da viatura. Os militares que atenderam a ocorrência relataram que, quando chegaram à unidade hospitalar, o médico plantonista recusou-se a receber o corpo da vítima, alegando que Jovelino já havia chegado sem vida ao local. Cerca de uma hora depois, uma equipe o Serviço Médico Legal (SML) de São Mateus recolheu o corpo do fazendeiro.
Prisão
Durante a tarde deste domingo (16), uma equipe da Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) de São Mateus efetuou a prisão de um dos suspeitos pela morte de Jovelino Rigoni e apreendeu uma arma de fogo. Everton Siqueira de Souza foi localizado na casa da mãe, em Nova Venécia, onde estava escondido.
Segundo a polícia, Everton tem várias passagens por furto e roubo. Durante a abordagem, o suspeito negou ter atirado, e jogou a culpa no colega, identificado apenas como Anderson, conhecido como “Andinho”. Não há informações sobre a possível motivação do crime e se os suspeitos já teriam, de fato, prestado serviços em alguma propriedade da vítima.
Everton indicou uma casa em que Anderson poderia estar escondido, em São Mateus. Até o fechamento da reportagem, a polícia ainda fazia buscas na cidade e não havia encontrado Andinho. No imóvel apontado por Everton, os investigadores encontraram drogas. De acordo com informações preliminares, o local funcionaria como boca de fumo. Everton Siqueira de Souza foi encaminhado ao Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de São Mateus.
Velório
O velório aconteceu durante a tarde deste domingo, na capela do Cemitério Municipal de Jaguaré, onde Jovelino José Rigoni foi enterrado, por volta das 17h. Rigoni começou a trabalhar, ainda jovem, como meeiro. Com o tempo e com muito trabalho, tornou-se um grande produtor rural da região Norte do Estado.
A informação foi confirmada pelo diretor do Sindicato Rural do município de Jaguaré, Elder Sossai. “Ele era um produtor renomado na nossa região, muito bem relacionado, muito querido. Produzia, principalmente, café e coco”, contou Sossai.
A notícia da morte do fazendeiro chocou a população, segundo o representante do sindicato rural. “No velório, ninguém sabia explicar direito o que havia acontecido. Conversei com duas ou três pessoas mais próximas e estavam todos chocados”.
Apesar do crime ter acontecido em São Mateus, Rigoni residia com a família no Centro de Jaguaré, onde tinha propriedades no distrito conhecido como Córrego da Areia.
Sossai definiu a morte do produtor rural como uma grande perda. “Ele não era só um grande fazendeiro. Era uma grande pessoa, de uma família muito tradicional. Deixou duas filhas e um filho, uma família muito boa, todos muito tranquilos e queridos. Posso dizer isso: que ele sempre aparentou ser uma pessoa bastante tranquila e trabalhadora”, concluiu.
Fonte
 Edson Sodré – TV Gazeta Norte / Gazeto Online
COMPARTILHAR